Alma mortal e suas afecções: uma leitura do Timeu de Platão, A

Código: 9788594590145
12x de R$ 4,66
R$ 56,00
ou R$ 53,20 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 56,00 sem juros
    • 2x de R$ 28,00 sem juros
    • 3x de R$ 18,66 sem juros
    • 4x de R$ 14,00 sem juros
    • 5x de R$ 11,20 sem juros
    • 6x de R$ 9,33 sem juros
    • 7x de R$ 8,00 sem juros
    • 8x de R$ 7,00 sem juros
    • 9x de R$ 6,22 sem juros
    • 10x de R$ 5,60 sem juros
    • 11x de R$ 5,09 sem juros
    • 12x de R$ 4,66 sem juros
    • 1x de R$ 56,00 sem juros
    • 2x de R$ 28,00 sem juros
    • 3x de R$ 18,66 sem juros
    • 4x de R$ 14,00 sem juros
    • 5x de R$ 11,20 sem juros
    • 6x de R$ 9,33 sem juros
    • 7x de R$ 8,00 sem juros
    • 8x de R$ 7,00 sem juros
    • 9x de R$ 6,22 sem juros
    • 10x de R$ 5,60 sem juros
    • 11x de R$ 5,09 sem juros
    • 12x de R$ 4,66 sem juros
  • R$ 53,20 Deposito
  • R$ 56,00 Boleto Bancário
  • R$ 56,00 American Express, Visa, Diners, Mastercard, Hipercard, Elo
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Autora:  Maria Gorette Bezerra de Lucena

ISBN:  978-85-9459-014-5

Páginas: 116

O estudo examina a alma mortal e suas afecções (pathémata) no Timeu de Platão com o propósito de demonstrar que Platão amplia a noção de “morte” (thánatos), nesse diálogo, para explicar o “vínculo” (syndouménes) e a associação ou koinonía entre a alma mortal e o corpo. Platão transpõe a noção de “morte” para o campo de sua filosofia, de modo que por um lado, o atributo “mortal” indica a composição do corpo do homem e de todos os seres ditos físicos, visíveis e tangíveis; e ampara o estado de dissolução e corrupção destes (Timeu 42e - 43a); e por outro lado, passa a indicar a intrínseca koinonía entre a forma de alma mortal e o corpo, ambos de naturezas distintas; o que nos fez inferir, que o atributo “mortal” (thnetón) não é usado por Platão para designar a “morte” do génos de alma mortal” (téns psychéns thnetòn génos, Timeu 69d-e); considerando sobretudo, que o filósofo não diz em nenhuma passagem do Timeu, que o eidos/génos de alma mortal é um ser elementar, portanto, de natureza “afim” ao corpo e demais seres da phýsis.

Numa espécie de demiurgia divina e filosófica, Platão mescla aspectos anímicos e físicos e demonstra que a alma de eídos mortal está “encravada” no corpo (sôma), através da medula (myelós), ou seja, é na medula que estão “ancorados” (ankurôn) os laços de toda a alma humana. Dessa maneira, a alma mortal “sente” e “vivifica” todos os órgãos e partes corpóreas e acolhe afecções (pathémata), originadas de sua união com sôma. Essa reflexão propicia a Platão demonstrar como o corpo afeta a alma (psyché) e como surgem os afetos (páthos) e paixões (tà pathé) humanas; e esclarecer o verdadeiro sentido do atributo “mortal” (tòn thnetón) aplicado por ele à forma de alma mortal. Portanto, o atributo “mortal” não expressa a morte (thánatos) do eidos/génos da alma mortal do homem, é apenas um recurso da dialética platônica para conhecer as tendências anímicas de cada um de nós e explicar a complexa união psyché thánatos-sôma, com vistas à formação de cidadãos virtuosos e justos, a finalidade (télos) precípua de sua filosofia. 

12x de R$ 4,66
R$ 56,00
ou R$ 53,20 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • PayPal
  • Depósito Bancário
  • PagSeguro
Selos
  • Site Seguro

Editora Liber Ars Ltda. - CNPJ: 13.794.606/0001-98 © Todos os direitos reservados. 2018