A instrumentalização do corpo: uma arqueologia da racionalização instrumental do corpo, da Idade Clássica à época hipermoderna

Código: 9788594591203
12x de R$ 7,16
R$ 86,00
ou R$ 81,70 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 86,00 sem juros
    • 2x de R$ 43,00 sem juros
    • 3x de R$ 28,66 sem juros
    • 4x de R$ 21,50 sem juros
    • 5x de R$ 17,20 sem juros
    • 6x de R$ 14,33 sem juros
    • 7x de R$ 12,28 sem juros
    • 8x de R$ 10,75 sem juros
    • 9x de R$ 9,55 sem juros
    • 10x de R$ 8,60 sem juros
    • 11x de R$ 7,81 sem juros
    • 12x de R$ 7,16 sem juros
    • 1x de R$ 86,00 sem juros
    • 2x de R$ 43,00 sem juros
    • 3x de R$ 28,66 sem juros
    • 4x de R$ 21,50 sem juros
    • 5x de R$ 17,20 sem juros
    • 6x de R$ 14,33 sem juros
    • 7x de R$ 12,28 sem juros
    • 8x de R$ 10,75 sem juros
    • 9x de R$ 9,55 sem juros
    • 10x de R$ 8,60 sem juros
    • 11x de R$ 7,81 sem juros
    • 12x de R$ 7,16 sem juros
  • R$ 81,70 Deposito
  • R$ 86,00 Boleto Bancário
  • R$ 86,00 American Express, Visa, Diners, Mastercard, Hipercard, Elo
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Jacques Gleyse
348 páginas
ISBN 9788594591203

Enquanto símbolo do qual uma sociedade faz uso para falar de suas fantasias, o corpo não é feito apenas de carne, de natureza, mas também é moldado pela palavra, pela cultura. É por isso que A Instrumentalização do Corpo, iniciando sua incursão nessa temática a partir da Renascença, investiga os modos através dos quais o verbo científico e as técnicas a ele associadas – isto é, os discursos, no sentido foucaultiano do termo – contribuíram para a mutação gradual das representações do corpo e para a transformação deste em um instrumento racional.

Inicialmente, num primeiro estrato, através da anatomia e da ginástica, o corpo deixará de ser feito pela mão divina ou da natureza, passando à condição de corpo "artesanal", obra da mão humana. Em seguida, uma segunda camada do discurso irá modificar a epistémê, formalizando um corpo mecânico, manufaturado e simultaneamente produtor. Um terceiro estrato engendra o corpo maquínico, através dos discursos de Sadi Carnot, reinterpretados por Gustave-Adolph Hirn, que extrai todas as consequências filosóficas e práticas da teoria da termodinâmica e viabiliza a inauguração das ginásticas energéticas e dos esportes tradicionais. Uma quarta camada discursiva se origina das teorias da informação e fabrica, ao mesmo tempo, um corpo semiótico e as práticas esportivas coletivas, nas quais a informação domina.

 Enfim, o posfácio brasileiro da obra, vinte anos após a sua primeira publicação, mostra como, em contraposição às teorizações atuais acerca de um "homem aumentado", o que experimentamos é um corpo robótico, híbrido, e, sobretudo, um "homem diminuído". Ele é produzido pelas diversas próteses (máquinas), substitutas dos elementos corporais naturais. Se, de fato, a máquina é aperfeiçoada ao fazer-se corpo, em relação a ela o corpo e, portanto, o próprio homem, são diminuídos.

JACQUES GLEYSE

Produtos relacionados

12x de R$ 7,16
R$ 86,00
ou R$ 81,70 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • PayPal
  • Depósito Bancário
  • PagSeguro
Selos
  • Site Seguro

Editora Liber Ars Ltda. - CNPJ: 13.794.606/0001-98 © Todos os direitos reservados. 2018