No Limiar da visão: a poética do sublime em Edmund Burke

Código: 9788594591142
12x de R$ 4,33
R$ 52,00
ou R$ 49,40 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 52,00 sem juros
    • 2x de R$ 26,00 sem juros
    • 3x de R$ 17,33 sem juros
    • 4x de R$ 13,00 sem juros
    • 5x de R$ 10,40 sem juros
    • 6x de R$ 8,66 sem juros
    • 7x de R$ 7,42 sem juros
    • 8x de R$ 6,50 sem juros
    • 9x de R$ 5,77 sem juros
    • 10x de R$ 5,20 sem juros
    • 11x de R$ 4,72 sem juros
    • 12x de R$ 4,33 sem juros
    • 1x de R$ 52,00 sem juros
    • 2x de R$ 26,00 sem juros
    • 3x de R$ 17,33 sem juros
    • 4x de R$ 13,00 sem juros
    • 5x de R$ 10,40 sem juros
    • 6x de R$ 8,66 sem juros
    • 7x de R$ 7,42 sem juros
    • 8x de R$ 6,50 sem juros
    • 9x de R$ 5,77 sem juros
    • 10x de R$ 5,20 sem juros
    • 11x de R$ 4,72 sem juros
    • 12x de R$ 4,33 sem juros
  • R$ 49,40 Deposito
  • R$ 52,00 Boleto Bancário
  • R$ 52,00 American Express, Visa, Diners, Mastercard, Hipercard, Elo
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Daniel Lago Monteiro

146 páginas
ISBN 978-85-9459-114-2

Este “livrinho”, como escreve com autoironia o autor, surgiu de uma monografia acadêmica sobre a Investigação Filosófica sobre a origem de nossas ideias do sublime e do belo de Edmund Burke. Mas ele é certamente mais que isso: sem se limitar a um comentário focado somente no livro, o estudo reconstitui laboriosamente o que seriam os diálogos implícitos que o escritor irlandês manteve com o mundo filosófico, literário e artístico de seu tempo, para chegar à reformulação original deste que é sabidamente um dos tópoi mais importantes da retórica e poética desde a antiguidade. Na peça assim montada por Daniel Lago Monteiro são muitos os atores coadjuvantes que contracenam com a personagem principal: Addison, Locke, Molineux, Berkeley, Saunderson, Chelseden, Montesquieu, Rousseau, Diderot, mas também Aristóteles, Horácio, Leonardo da Vinci e, naturalmente, Longino se revezam no palco para mostrar as suas afinidades e diferenças com Burke. 
A música que acompanha a encenação não fica atrás, composta que é de um repertório clássico revisitado: as antigas vozes do duo entre prazer e dor são dobradas pelas do belo e do sublime, e a crítica nominalista às ideias abstratas vai incorporando novos instrumentos, nos contrapontos sucessivos entre a visão e os demais sentidos, com a libertação da linguagem em relação ao paradigma representativo desaguando no tutti da sinestesia.
O enredo da obra conta a peripécia (no sentido de reviravolta) produzida por Burke na concepção clássica de representação e linguagem. A hegemonia do conhecimento claro e distinto, a fixidez e precisão do modelo geométrico não podiam ser realmente desmontadas pelo empirismo lockiano. Se Berkeley identifica as falsas soluções do perspectivismo renascentista e de seu avatar cartesiano na Nova teoria da visão, a sua resposta cai na armadilha do modelo que combate, ao criar um fosso ainda maior entre a experiência plena dos sentidos e a pura visibilidade. Num movimento que lembra o de Merleau-Ponty, o que Burke propõe é um recuo àquela dimensão “pré-visual” de onde jamais se deveria ter saído. Noutras palavras: não se deve tentar descolar o olho da textura sensitiva em que se encontra articulado, como fizeram os renascentistas e seus seguidores na época clássica. É preciso permanecer “no limiar da visão”.

Márcio Suzuki

12x de R$ 4,33
R$ 52,00
ou R$ 49,40 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • PayPal
  • Depósito Bancário
  • PagSeguro
Selos
  • Site Seguro

Editora Liber Ars Ltda. - CNPJ: 13.794.606/0001-98 © Todos os direitos reservados. 2018